O ecommerce segue apresentando tendências muito otimistas para os empresários. Após conquistar a popularidade do público ao longo dos últimos anos, o setor continua alcançando resultados cada vez melhores.

Segundo uma pesquisa divulgada pela Ebit/Nilsen, o comércio eletrônico teve um crescimento de 12% em vendas online no primeiro semestre de 2019 – o que representa um faturamento de R$ 26,4 bilhões.

De acordo com essa mesma pesquisa, o crescimento do ecommerce não está sendo causado por uma recuperação da economia, mas sim pela migração dos consumidores para o canal online. Ou seja, os consumidores estão cada vez mais abertos para conhecer novas lojas, novas categorias e novos produtos pela internet.

Seguindo essa tendência de migração do público para os canais digitais, as expectativas são ainda mais otimistas para os próximos anos. E isso cria várias oportunidades para que as lojas virtuais maximizem seus resultados de vendas.

Com o aumento do faturamento, surge uma grande questão: como funciona a tributação no ecommerce? Neste artigo veremos as principais informações para que você consiga manter sua empresa dentro de todas obrigações legais.

ecommerce
Imagem de Pete Linforth por Pixabay

Principais tributos para o ecommerce

Para começar a entender o funcionamento da tributação no ecommerce, precisamos começar conhecendo quais são os principais tributos que são pagos por essas empresas. Veja quais são eles:

Conforme veremos a seguir, o tributo que merece maior atenção é o ICMS – que incide sobre as operações de vendas realizadas pelo ecommerce.

Como funciona a tributação no ecommerce?

A tributação no ecommerce é bastante semelhante a uma loja física. Porém, as pequenas diferenças podem ter um grande impacto quando falamos sobre manter o compliance fiscal.

Para facilitar o entendimento sobre a tributação no ecommerce, vamos analisar os principais pontos sobre o assunto:

Diferença entre ecommerce e uma loja física

via GIPHY

Conforme acabamos de ver, não existe uma grande diferença entre a tributação de um ecommerce e uma loja física. Porém, a arrecadação do ICMS se torna mais complexa para as lojas virtuais no caso de vendas interestaduais – pois a legislação do ICMS pode mudar entre um estado e outro.

Tributação pelo Simples Nacional

As empresas de comércio eletrônico podem optar pela tributação pelo Simples Nacional. Nesse caso, a tributação segue uma alíquota que varia conforme o faturamento médio dos últimos doze meses – seguindo o Anexo I da Lei Complementar nº 123/006.

Além disso, ainda existe a possibilidade de enquadramento como Microempreendedor Individual. Nesse caso, a empresa deve seguir todas as exigências dessa modalidade de registro empresarial e recolher apenas uma pequena taxa mensalmente.

Benefícios fiscais

Existem alguns estados brasileiros que concedem benefícios para empresas que realizam vendas exclusivamente não presenciais – como a concessão de créditos ou redução da alíquota. Portanto, é preciso ficar sempre atento às alterações na legislação do ICMS.

Operação de dropshopping

Dropshipping é o nome dado ao modelo de negócio em que o ecommerce não mantém um estoque próprio e as mercadorias são enviadas para o cliente diretamente pelo fornecedor. Nesses casos, é importante ficar atento à tributação que incide sobre a importação de mercadorias.

Como está atualmente a situação do ICMS?

Até o ano de 2018, a maior complicação para um ecommerce era a exigência de pagar ICMS para dois estados: o de origem da mercadoria e o de destino. Porém, a Emenda Constitucional nº 87 de 2015 surgiu para mudar isso.

Após cinco anos com uma regra de transição, em 2019 o ICMS em operações interestaduais passou a ser destinado 100% para o estado de destino da operação. Ou seja, é necessário fazer o pagamento somente para um estado – simplificando a tributação.

Dootax: uma ferramenta para recolhimento de tributos

Todas as empresas brasileiras precisam encarar uma complexa carga tributária – e com o ecommerce isso não é diferente. Mesmo com a simplificação no recolhimento do ICMS em operações interestaduais, o pagamento de tributos ainda é uma tarefa árdua.

Para facilitar esses processos, a Dootax desenvolveu soluções digitais para simplificar o recolhimento de tributos. Ou seja, você pode ter acesso a uma plataforma que apura e paga as guias automaticamente – gerando uma economia de tempo e aumentando a segurança do seu ecommerce.

Quer entender melhor como a Dootax pode ajudá-lo a lidar com a tributação no ecommerce? Então visite a nossa página.

Carlos Lima

Formado em publicidade e propaganda, é analista de inbound marketing e mídias sociais na Dootax.

COMENTÁRIOS